Padre Marcelo Rossi
 

 

Dom Fernando

 

Cumprimento da Lei

 

Texto Bíblico: “...” Mateus 5,17-19


Jesus acaba de falar das “boas obras” e da obediência ao Pai. Para os fariseus, a frutuosa resposta à vontade do Pai seria o cumprimento da Lei entregue a Moisés no Sinai. No entanto, eles exacerbavam a submissão à Lei, de tal modo que a liberdade, sem vínculos significativos e espirituais, assumia feições de escravidão. Para o Senhor, ao contrário, o pressuposto sempre foi a ação livre, jamais admitindo o determinismo no agir, que diluiria a responsabilidade pessoal. Por isso, de modo solene, “em verdade vos digo”, Jesus expõe seu posicionamento em relação à Lei, aos Profetas e, por conseguinte, em relação a todo o Antigo Testamento.

Postulando aos ouvintes que acolhessem o Reino de Deus, o Senhor diz ter vindo em nome do Pai para cumprir uma missão, que consiste não em ab-rogar a Lei, mas em cumpri-la. A Lei e os Profetas atingem em Jesus sua realização plena, sua expressão mais perfeita, como assinala S. Hilário de Poitiers ao dizer: “Ele proclama, de modo claro e vigoroso, que a obra da Lei é superada. Ele não a abole, mas a supera com um aperfeiçoamento progressivo. Nesse sentido, Jesus declara que os Apóstolos só entrarão no Reino dos Céus caso superem a justiça dos fariseus. E, após expor as prescrições da Lei, ele as supera aperfeiçoando-as, sem aboli-las”.

Aos discípulos Ele alerta para não se deixarem levar por uma compreensão muito estrita da Lei. Também os acautela contra o extremo oposto: julgar que o Evangelho os dispensasse da Lei. Para além de sua “letra”, a Lei é confirmada, não abolida. Ela é transformada e interiorizada, tornando-se ainda mais exigente. Dirá S. Antônio de Pádua: “A palavra é viva quando são as obras que falam. Cessem, portanto, os discursos e falem as obras”. S. Agostinho exclama: “Ama e faze o que queres. Ama! Equipara tua vontade àquela do Amado: fazer o que queres será fazer o que Ele quer!”

Como os fariseus, a visão dos Apóstolos estava encoberta e seus corações obscurecidos. O Mestre retira o “véu”, que os encobre, e conduz os Apóstolos ao alto do monte Tabor, onde maravilhados, eles contemplam a glória do Filho de Deus e participam da luz divina. O esplendor do amor divino ilumina seus corações e lhes é dado compreender o sentido do Evangelho do Reino de Deus. Eles jamais deixarão de anunciá-lo, explicando que a catequese cristã repousa sobre os “testemunhos” do Antigo Testamento, que encontram todo seu sentido na obra e no ensinamento de Jesus. Assim, o evangelista S. Mateus nos conduz a contemplar a paixão e a ressurreição como realização plena da entrada na Terra prometida definitiva. E nós, desde já, inflamados com as línguas de fogo, que são os louvores divinos, anunciaremos o Evangelho do amor e da paz.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Imprimir
Voltar