Dom Fernando

 

O escândalo a ser evitado

Texto Bíblico: “...” Marcos 9,41-50

  

Duas forças operam em nossa vida: o poder da tentação e o poder da fé. Se o primeiro quer arrastar o homem ao pecado, o segundo permite-lhe superar os obstáculos e vencer as atrações do mal. O maior dos males é a ruptura com Deus e com os irmãos, enquanto o maior bem é, justamente, a vida em Deus e a comunhão fraterna. Quão grande foi o escândalo suscitado pelo bezerro de ouro, o cisma de Israel ou os ídolos de Samaria! Não menos vigoroso e forte é o apelo para não ser causa de escândalo.

A palavra escândalo sugere a ideia de armadilha ou pedra de tropeço, que provoca a queda de alguém. A gravidade de sua prática é medida pelo castigo infligido àquele que o causa. As palavras do Mestre mostram-se duras e severas ao dizer “que seria melhor para quem é causa de escândalo atar no pescoço uma grande pedra de moinho e lançar-se ao mar”. S. Agostinho comenta: “Jesus não se envergonhou de repetir três vezes as mesmas palavras. Quem não tremeria diante desta repetição e desta ameaça, saída com tal rigor da boca divina?”

Aos olhos de Deus, o valor de cada um é inestimável, sobretudo, a salvação dos pequeninos, que compreendem as crianças, também os pobres, os injustiçados e os desprezados, representados na figura do pobre Lázaro. Ele deseja que todos se salvem, ninguém se perca. 

A seguir Jesus utiliza a imagem do sal, recomendando: “Tende sal em vós mesmos e vivei em paz uns com os outros”. O sal tira a insipidez do pecado e permite degustar Deus como verdadeiro sentido de vida, o que leva o discípulo, para não ser causa de escândalo, a sacrificar tudo: a mão, o pé e o próprio olho. Ele alcançará a verdadeira e eterna vida e, desde já, selará uma “aliança de sal” ou “aliança perpétua” com seus semelhantes e com Deus.  Ele será “sal da terra”.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM