Dom Fernando

 

Jesus vida e luz (encontro com Nicodemos)

Texto Bíblico: “...” João 3,16-21

 

Jesus acolhe todos os que dele se aproximam. Nicodemos, membro do Sinédrio, é um deles, que o procura no silêncio da noite, às escondidas. As primeiras palavras do Senhor ressoam aos ouvidos do seu coração como um apelo à conversão e à abertura da mente ao transcendente: “Em verdade te digo: quem não nascer do alto não pode ver o Reino de Deus”. Inquieto e confuso, Nicodemos, para esconder seu espanto, interroga-o: Nascer de novo, “como pode isto acontecer?” Uma doce ironia envolve a  resposta de Jesus: “És mestre em Israel e ignoras essas coisas?” A seguir, remete-o ao tema do Filho do Homem, que, descendo de junto de Deus, subirá ao céu: “Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que seja levantado o Filho do Homem”. Alusão ao seu enaltecimento na cruz, sinal não de escândalo, mas de glória e exaltação.  S. Cirilo de Alexandria exclama: “Só os que, com fé, elevarem seus olhos para ele, viverão e terão a verdadeira vida”. Ao ouvi-lo, comovido, Nicodemos sente suas dúvidas se dissiparem. Também ele poderia nascer do alto e participar da verdadeira vida, a “vida eterna”.

As palavras do Mestre inspiram o Evangelista, que diz: “Deus amou tanto o mundo que doou (édwken) o seu Filho único”. Em geral, traduz-se por “entregou” e não, como fizemos, por “doou”, empobrecendo o texto e eclipsando o sentido teológico e espiritual de doação generosa e gratuita do Pai e do próprio Filho Jesus. Jesus é dom do Pai, presença de seu amor e de sua graça. É assim que Nicodemos o ouve. E, envolvido pelo seu amor misericordioso, ele se rende ao Mestre. Ó inaudita vitória da graça divina! Nicodemos renasce e reconhece, na pessoa de Jesus, o Messias em sua fidelidade inconteste ao Pai.

O convite feito a Nicodemos estende-se a todos. Muitos o acolhem. Destes, afastam-se as trevas da ignorância e do pecado, e em seus corações brilha a luz do Pai. Ninguém que vive em união estreita com Jesus permanece fora da luz. Seu olhar se estende a todos, não só aos pecadores, mas também aos necessitados e rejeitados, levados em seus braços amorosos, como a ovelha desgarrada, à festa do encontro com o Pai. Polêmica, caso haja, provém de seus adversários. Para os demais, sua vinda é a primavera de Deus, representada pela figura do Esposo. Cada qual ouve, em seu coração, as palavras dirigidas ao paralítico: “Levanta-te... teus pecados te são perdoados”. Ou, aos Apóstolos: “Vêm comigo...”. Jesus acolhe os pequeninos e marginalizados, leva o perdão aos pecadores e o consolo aos aflitos e angustiados.

Jesus bate à porta do coração de Nicodemos, pois “Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele”. Também nós, se “bebermos a água da vida e endossarmos as vestes da luz inarrável, nosso homem interior será confirmado na experiência e na plenitude da acolhida ilimitada de Jesus e desde já viveremos, em verdade, a vida eterna” (Pseudo-Macário). Tornamo-nos infinito espaço de Deus, na certeza de que “aquele que disse vir habitar conosco, também nos prometeu engrandecer-nos, ao dizer: ‘e convosco caminharei’” (S. Agostinho).

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM